"É impossível viver só... Sorrindo"

segunda-feira, 24 de maio de 2010

E eu gostava tanto de você


Tinha ficado petrificada de medo ao vê-lo caminhando em minha direção, tinha pavor de que soubesse o quanto o amava, o quanto eu esperava por ele, como sonhava em pegar sua mão, ir além. E seguir a estrada até o final.

Esse dia finalmente chegou. Fiz de tudo para que ele acontecesse e fosse perfeito. Tão perfeito quanto eu fantasiei que seria. E foi mágico.

A partir daí não consegui mais me concentrar em nada.

Comecei a imaginar as muitas perguntas que lhe faria. Até encontrar a maneira certa de começar uma história que não terminasse jamais. E logo voltei a sonhar com a próxima vez...

Mas não houve uma próxima vez.

Embora continuássemos a conversar muito, depois nem tanto. Até que as conversas foram ficando cada vez mais raras.

Algumas vezes me sentia à frente de tudo. Mas na maioria das vezes ficava lá atrás para poder contemplá-lo com ternura. Ele nunca mais foi o mesmo, e eu tive que me contentar a amar e sofrer silenciosamente.

Reclamei com Deus, mas terminei me acostumando com a falta de respostas. Entretanto, não conseguia me acostumar com a ausência dele, e não parava de recriminar a mim mesma pela atitude estúpida de sair correndo daquilo que mais desejava.

Tentei procurá-lo. Ah, como eu tentei! Talvez da maneira mais errada possível.

Mas não adiantou.

Nesse momento, aprendi que certas coisas se perdem para sempre. Aprendi também que havia um lugar chamado "longe", que o mundo era vasto, mas minha alma era pequena, e as pessoas mais interessantes terminavam indo embora.

Mas como ninguém pode viver de vontades impossíveis, logo entendi que precisava prestar mais atenção ao que se passa a minha volta.

Também notei que, assim como aconteceu com ele, o amor estava mais associado à ausência que à presença da pessoa: vivia sentindo falta dele, passava horas imaginando o que ele estava fazendo, sobre o que íamos conversar, e relembrava cada segundo que estivemos juntos, procurando descobrir o que tinha feito de certo e errado.

Gosto de me ver como uma mulher experiente, que já deixou uma grande paixão escapar e sabe a dor que isto causa.

Hoje, porém, deixei que meu mundo desabasse, chorei a noite inteira e concluí que o amor não foi feito para mim, nem eu para ele.

Depois de todo esse tempo, terminei concluindo que os homens apenas trazem dor, frustração, sofrimento e a sensação de que os dias se arrastam...

"Destrua-me, encontre-me, possua-me... seja meu sol. Somente a noite pode salvar o que nós perdemos antes de começar"

4 comentários:

  1. Que lindinho, muito fofinho rsrs

    Passa lá: http://librianodoamor.blogspot.com/

    ;)

    ResponderExcluir
  2. quanto rancor :\
    espero que você encontre alguém que te dê valor, diferente desse ai.

    http://anpulheta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. "nem sei porque vc se foi, tantas saudades eu senti, e de tristezas vou viver, e aquele adeus não pude dar..." Cada vez creio mais que o amor não foi feito pra mim, nem eu pra ele, como diria numa música do Morrissey, que eu gosto muito: "Durma e sonhe com o amor, que é o mais próximo que vc vai chegar dele" (november spawned a moster)... ô vida dura!!!!

    ResponderExcluir
  4. esse sentimento descrito no texto nunca é fácil...
    Para nós, homens, também não é... mas a gente foi "adestrado" a fingir não se importar e rir numa mesa de bar como se nada estivesse acontecendo

    ResponderExcluir

Tradutor